Subterrâneo do Cinema
02 de Janeiro de 2009

A Viagem à Lua

 

Quando pensamos em Le Voyage dans la Lune, a nossa mente é rapidamente invadida pela ideia originária e mítica dos inícios do cinema, como uma arte cujas "regras" foram estabelecidas no próprio processo da sua produção. O referido filme francês foi lançado em 1902 e, para a altura, foi uma verdadeira revolução, dada a sua duração (aproximadamente 14 minutos) que ultrapassava os mais usuais dois minutos, característicos das suas curtas-metragens realizadas no ínicio do século passado.

 

Le Voyage dans la lune reflecte claramente a personalidade histriónica do seu realizador, Gerge Méliès, cujo passado como actor de teatro e mágico influenciou a realização do filme. A película incluiu inúmeras experiências arrojadas com algumas das mais famosas técnicas cinematográficas, como, por exemplo, a sobreposição, a fusão, a exposição múltipla e práticas de montagem que seriam muito utilizadas posteriormente. Apesar da simplicidade dos seus efeitos especiais, Le Voyage dans la Lune é geralmente considerado o primeiro exemplo de cinema de ficção científica, uma vez que apresenta vários elementos característicos do género - uma nave espacial, a descoberta de uma nova fronteira - e estabelece a maior parte das suas convenções.

 

A cena inicial do filme descreve um congresso científico, no qual o professor Barbenfouillis (interpretado pelo próprio Méliès) tenta convencer os seus colegas a participar numa viagem de exploração à Lua. Logo que o seu plano é aceite, a expedição começa a ser organizada e os cientistas partem para a Lua dentro de uma nave espacial. A nave, semelhante a um míssil, aluna no olho direito da Lua, que é apresentada como um ser antropomórfico. Na superfície do satélite da Terra, os cientistas depressa se cruzam com os seus habitantes hostis, os Selenitas, que os conduzem à presença do seu rei. Após descobrirem que os inimigos se desintegram numa nuvem de fumo ao serem tocados por um chapéu-de-chuva, os franceses conseguem escapar-lhes e regressar à Terra. Acabam por se despenhar no oceano, aproveitando para explorar os seus asbismos, até que são salvos e recebidos em Paris como heróis.

 

O filme realizado por Miélès merece indiscutivelmente um lugar entre as obras cruciais da história do cinema mundial. Apesar do seu aspecto surreal, Le Voyage dans la Lune é uma película cativante e inovadora, capaz de combinar os truques do teatro com as possibilidade infinitas do novo meio cinematográfico. Miélès, o mágico, era mais um maestro do que um realizador e participou no filme como escritor, actor, produtor, cenógrafo, tendo sido também responsável pela fotografia, guarda-roupa e pela criação dos efeitos especiais que, no seu tempo, foram considerados espectaculares. O primeiro filme legítimo de ficção científica deve ser visto por todos aqueles que procuram a origem das convenções que, mais tarde, influenciarão todo o género, assim como as suas obras mais famosas.

 

De um ponto de vista mais geral, Le Voyage dans la Lune é também a película que estabelece a distinção fundamental entre o filme de ficção e documentário. Numa altura em que a maior parte dos filmes se limitava a retratar a vida quotidiana (como por exemplo as obras dos irmãos Lumière, dos finais do século XIX), Miélès foi capaz de construir uma fantasia cujo o objectivo principal é entreter. Ele abriu, desse modo, as portas aos futuros artistas cinematográficos, uma vez que exprimiu a sua criatividade de um modo completamente inusitado para o cinema da sua época.

 

 

Ficha técnica

 

 

França (Star) 14 m, mudo, P.B.

Realização: Georges Miélès

Produção: Georges Miélès

Argumento: Georges Miélès, adapatado do romance De la Terre à la Lune, de Júlio Verne

Fotografia: Michaut e Lucien Tainguy

Elenco: Victor André, Bleuette Bernon, Brunnet, Jean d'Alcy, Henri Delannoy, Depierre, Farjaut, Kelm e Georges Miélès

 

 

 

fonte: 1001 Filmes para ver antes de morrer - 3ª edição - Dinalivro

publicado por subterraneodaliberdade às 21:16 link do post
pesquisar neste blog
 
Janeiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
blogs SAPO